Pra quem acompanhou no meu Twitter e Instagram, já deve saber que fiz essa viagem incrível no fim do ano passado. O que muita gente não sabe é que o roteiro dos meus passos foi 70% feito por comentários nas fotos que eu ia postando. Eu demorei pra escrever porque passei por um momento conturbado na minha vida pessoal e só agora tomei coragem (e liberdade) pra escrevê-lo em primeira pessoa, que é como prefiro minha vida hoje.

Prédio que eu fiquei fascinado, visto também da sacada do hotel.

Prédio que eu fiquei fascinado, visto também da sacada do hotel.

Antes de viajar, dei uma lida em vários blogs, mas não cheguei a fazer quase nada do que eles indicavam. Eu odeio roteiros coxinhas e lotados de turistas. Prefiro fazer coisas do cotidiano e me misturar com a cidade, sentir a realidade e se perder pelas ruas. No fim da viagem, tive uma conversa com uma senhora porteña que me desmitificou a figura de Evita e me contou que ela não é lá grandes coisas pra eles! Acho que esse é o grande lance de viajar; se sentir uma parte do povo e da cidade.

Quantos dias pra cada cidade?

Fiz essa viagem no fim do ano de 2012. Comprei as passagens como se fosse passar 14 dias em Buenos Aires e fiz meu roteiro em cima disso. São 6 dias em Buenos Aires, 5 em Montevidéu, 2 em Punta Del Leste e mais 1 em Buenos Aires pra pegar o vôo de volta. Se você tem bem menos tempo que isso, sugiro diminuir o tempo em Buenos Aires. Eu passei muito tempo lá, mas fiz tudo com calma e me senti um verdadeiro porteño.

Onde se hospedar?

Escolha algo dormivél, esqueça o conforto e vá se aventurar pela cidade. Você não vai passar muito tempo dentro do quarto, né? Eu optei por hostels de acordo com as avaliações do Booking. O mais famoso de Buenos Aires e mais indicado é o Milhouse, mas eu achei o preço meio salgado. (bem pra turistão mesmo). Optei por um na mesma rua, Av. de Mayo, o 1385, do lado do congresso e de uma estação do metrô. Em Montevidéu, fiquei no Hotel Uruguay, algumas quadras da praça central. Em Punta Del Leste fiquei no El Viajero. E na volta pra Buenos Aires no Kala Petit Hotel, em Palermo Soho. A maioria dos quartos era pra uma pessoa, mas com banheiro compartilhado.

Buenos Aires

Cheguei em Buenos Aires pela noite e já fui trocando dinheiro no Banco De La Nación, no aeroporto de Ezeiza (EZE) mesmo, pra evitar pegar notas falsas. Peça notas baixas pra pagar os taxis. Não pegue taxi fora, tem vários guiches credenciados dentro do aeroporto. Na cidade eles são os maiores truqueiros da história, então não é bom dar notas altas e ficar atento em que nota está passando.

Vista da sacada do 1385. Ao fundo o Congresso.

Vista da sacada do 1385. Ao fundo o Congresso.

No primeiro dia, tirei essas fotos e resolvi sair pela cidade sem destino e com um mapa nas mãos. (peguei esse mapa no aeroporto e usei muito!) Conheci o congresso e fui atrás de uma operadora de telefone chamada Personal e comprei um chip pra poder instagramar fotos na hora. O sistema é o mesmo da Tim aqui no Brasil, você paga uns centavos únicos por dia e usa como quiser. Não me deixou na mão nenhuma vez! É péssimo fazer o turistão que chega no hotel e faz flood de fotos, né?

Continuei andando sem destino usando o mapa (chorando nas construções maravilhosas) até me deparar com o Cemitério de Recoleta onde está o túmulo da Evita (que é humilhado facilmente por todos os outros). Nesse dia o termômetro marcava 21 graus, mas a sensação térmica era de muito mais!

cemi
cemiterio

Postei essas fotos e logo recebi as dicas nos comentários: tomei um sorvete na Freddo (em frente ao cemitério!), sentei na grama pra descansar, visitei o Buenos Aires Design (um shopping com coisas lindas pra sua casa!), uma exposição no Museu Nacional de Bellas Artes, conheci a Faculdade de Derecho e do lado dela a Floralis, aquela flor metálica que abre e fecha de acordo com o sol. Tudo isso com a ajuda do pessoal na internet e sem pegar nenhum taxi. Na volta pro hostel, fiz o que todo mundo faria em sua própria cidade; perguntei qual ônibus passava onde eu queria e embarquei! É importante levar moedas pois as máquinas não aceitam cédulas (não tem cobrador!)

Floralis e a fachada da Faculdade de Derecho que é gigantesca!

Floralis e a fachada da Faculdade de Derecho que é gigantesca!

No segundo dia, segui as dicas do Twitter e usei o metrô (que lá chama-se Subte) pra ir até a Plaza de Mayo pra confundir o zoologico de Buenos Aires (que fica em frente a praça) com o zoo de Lujan (aquele onde você abraça o leão) e acabei indo no primeiro. Nesse dia a sensação térmica era de 30 graus e quando voltei pro Brasil, soube que o urso polar deles morreu dias depois por causa disso. Por falar em bichos, não tinham muitos incríveis mentira, tinha zebra, rinoceronte e girafa (que eu nunca tinha visto na vida), mas vale o passeio porque você pode alimentar vários!

Os bicho tudo se amostrando!

Os bicho tudo se amostrando!

Mais uma vez sem rumo, sai pela entrada de trás do zoo até receber mais dicas pela internet. Uma delas dizia preu conhecer o Jardín Japonês que fica bem ali do lado. Bom, eu passei na frente e vi vários turistões e resolvi não entrar. Sei lá, achei sem graça. Peguei meu mapa, fiz um lanche rápido numa barraquinha de Panchos (os hotdogs sem graça deles) e parti a pé pro Planetário, que fica bem do lado do Jardín.

Descanço merecido antes de conhecer o Planetário!

Descanço merecido antes de conhecer o Planetário e haja protetor solar!

De lá, mais uma vez usando o mapa e sem noção nenhuma do que iria conhecer, parti também a pé pro parque El Rosedal. Esse lugar maravilhoso foi um achado justamente por eu não saber o que iria encontrar ali. Talvez esteja ai o lance de viajar tão sem roteiro como eu viajei e se apaixonar, viver e ser um pedacinho da cidade. Parecia que o lugar era só meu. Me senti a Serena de Alma Gêmea no meio de tantas rosas.

Não é maravilhoso?

Não é maravilhoso?

Depois de descansar no Rosedal, resolvi dar uma passada numa feirinha que acontece em Palermo Soho, na Plazoleta Julio Cortaza aos sábados e domingos, só pra não perder o fim do dia. Tomei lá mais uma de tantas Quilmes que bebi, cerveja maravilhosa vendida em cascos de 1L, mais barata que dois refrigerantes! Sim, refrigerantes custam os olhos da cara em Buenos Aires. Tome bastante cerveja, confie em mim! <3

Na manhã do terceiro dia, 35 graus com sensação térmica de 40 (não estou exagerando, o quarto dia será pior), um domingo, dormi muito, acordei na hora do almoço e sai correndo pra conhecer a Feira de San Telmo (só acontece domingo) que começa em uma rua paralela a Plaza da Republica, onde também fica a Casa Rosada. Resolvi almoçar na plaza mesmo, comi umas comidas bem doidas que nem vou conseguir lembrar o nome e comprei meu óculos lindão (que todo mundo me pergunta onde) numa vendedora ambulante bem da doida também. Por falar em doida, não faça a doida! Não vá nos lugares nos horários de pico pra não se estressar com as multidões.

Depois de comer, recebi no Twitter que a Casa Rosada também abre aos domingos pra visitação. Dá pra conhecer até a sala da Cris! Sem falar que é uma construção maravilhosa e dá pra entender perfeitamente o que a guia, super simpática, fala! Daí só depois disso, com tudo bem calminho, resolvi partir pra feira de San Telmo. É lá que tem a Mafalda sentadinha. (e não tirei foto porque acho coxinha)

Na esquerda mais um prédio na rua do hostel e na direita o saguão da Casa Rosada.

Na esquerda mais um prédio na rua do hostel e na direita o saguão da Casa Rosada.

Não deixe de conhecer a Casa Rosada, é lindona por dentro!

Não deixe de conhecer a Casa Rosada, é lindona por dentro!

Eu, meu óculos e a Evita.

Eu, meu óculos e a Evita <3[/caption] Como eu só tinha comido porcaria na plaza, procurei um restaurante no 4square e acabei achando o Pride Café numa rua paralela. Se você é gay como eu, vale visitar o cafézinho charmoso numa ruazinha de pedras com um bandeirão gay estendido. Se você é fã de drinks como eu, chame-os por tragos. Em Buenos Aires a vodka custa MUITO caro então não existe uma cultura de barmans de cardápio internacional muito forte por lá. Na maioria das vezes tive que chamá-los pra perguntar se conseguiam executar os meus preferidos, sem sucesso claro. Enquanto isso no instagram, meus amigos estavam revoltadas porque eu ainda não tinha ido comer Parrilla.

[caption id="attachment_342" align="alignnone" width="779"]Margarita, Bruschettas com bacon e cogumelos e sanduíche de frango com nozes e maça verde do Pride <3 Margarita e os pratos do café!

No quarto dia, 24 de dezembro, noite de natal, corri pra fazer cambio da Calle Florida (tem vários lá!) e jantei com meu namorado (na época) no La Cabanna, às margens do Rio de La Plata em Puerto Madero. Um restaurante que já recebeu, entre várias celebridades, até a Madonna! A sensação térmica nesse dia chegou aos 50 graus.

Termômetro explodindo e obelisco (não gastei nem 30 minutos nele)

Termômetro explodindo e obelisco (não gastei nem 30 minutos nele)

Tirei o quinto dia pra descansar e fui pro Casino de Puerto Madero pela noite. No sexto dia acordei cedinho, peguei o metrô até a Plaza de Italia, onde, ao lado do Zoo de Buenos Aires, embarquei num ônibus pro Zoo de Lujan.

Eu ficando rico no cassino, minhas fotos abraçando o leão, os 4 dias em Montevidéu e o reveillon em Punta Del Este continuam na segunda parte. Pra ler é só clicar aí no link <3 Espero que tenham gostado e qualquer dúvida é só comentar!

phellipe
escrito por
phellipe
Designer e programador do Young Dog Studio, apaixonado por caligrafia, café, games, decoração, cachorro, ficção cientifica e plantas. (ufa!)
Veja Mais Posts sobre
19/08/2014

comentários
diga alguma coisa

  1. Debs 26/09/2014

    Eu fiz uma viagem parecida no começo do ano, inclusive fiquei no El Viajero em Punta. Fiquei no El Viajero Downtown em Montevidéu também – mesmo preço por suíte de casal com atendimento de hotel <3.

    A diferença é que eu não conheci quase nada de Buenos. Chegamos lá cansadissimos já e meio que não descobrimos a cidade também porque estavamos num relacionamento sério com o Uruguai e meio cabreiros de ter saido de lá. Fui em Lujan e abraçar leão foi uma das melhores coisas que já me aconteceu.

    Você ia gostar muito de sair da rota uruguaia de punta-monte porque a gente viu punta e montevideu por ultimo e, serio, o litoral uruguaio é apaixonante. La Pedrera é um dos lugares mais lindos em que eu já estive e olha que estava nubladíssimo quando eu cheguei.

    Você me animou de fazer meu post da viagem, eu também to me enrolando por probleminhas pessoais. E, sabe, a gente gosta de coisas muito parecidas. Eu queria mesmo te dar um abraço pessoalmente haha.

    Beijoca :*

    • phellipe respondeu Debs 26/09/2014

      Nham <3 Essa é uma viagem que eu adoraria repetir sozinho de novo. Até porque Montevidéu e Punta foram as cidades que eu menos explorei, me senti bem culpado depois. Vou precisar de dicas! hahaha

  2. BA MORETTI 27/09/2014

    eu IA perguntar se tinha ido sozinho mas OPA NAO PERA HAHA
    pirei na arquitetura dos hotéis, lindemax
    achei super interessante a ideia de meio que ser guiado pela galera da internet ~online~ em algumas partes

    ah, blog tá lindo demax viu
    parabénx

    • phellipe respondeu BA MORETTI 28/09/2014

      O pessoal no instagram ajudou muito!
      Que bom que gostou, beijo!

  3. Karyne 12/11/2014

    Amei o blog! Muito bom =)
    Fotos lindas e muita vontade de conhecer a argentina =)

    Blog do Sofá

  4. mar bar 28/04/2016

    adorei como voce descreve as viagens….é bem pitoresco..beijos
    marcia